dez
28
Primeiro de tudo: obrigado à todos os amigos que nos ajudaram a proporcionar um Natal mais feliz para a Associação dos moradores do Jardim Alto do Carumbé em São Paulo. A entidade, como vocês podem ver nas postagem anteriores, foi indicada e recebe a ajuda da querida Marisa, uma das lindas baianas da Império de Casa Verde, que esteve aqui conosco no domingo! Conseguimos, com a ajuda de vocês, arrecadar aproximadamente 30kg de alimentos nutritivos pra encher o pandú da criançada e mais R$500 em dinheiro que valerá pro que for necessário pra melhorar um pouquinho a vida da rapaziada. Já está tudo encaminhado pra lá! Temos certeza que você ficou tão feliz quanto a gente por isso! Como é bom repartir! Faz carinho no coração! Espia só!


Falando agora da festa, meu preto, se você não veio perdeu a apresentação mais emocionante que já aconteceu aqui no fundo do quintal! Meu Nosso Senhor do Bonfim, foi de arrepiar poder ver de pertinho as baianas rodando lindas, sorrindo e emocionando de uma maneira absolutamente indescritível! Ninguém, mas ninguém mesmo, arredou pé antes delas chegarem e quando elas desceram vestidas de renda, primeiro um monte de queixo caiu, depois veio um sorriso que ficou no rosto da gente e parecia que ia ficar pra sempre. E na hora que elas apareceram com roupa de desfile e explendor? E as passistas mirins? Teve gente que chorou de emoção que eu vi! Me atrevo a dizer que foi como que ver e poder tocar a alma forte do Samba que nos dá tanta alegria. Deu orgulho de ser brasuca, deu orgulho de viver aqui e definitivamente quem não gosta de Samba bom sujeito não é! Tem problema, ah tem sim...
Obrigado Sr. Presidente Júnior Marques da Grande Império de Casa Verde que consentiu que as “tias” estivessem com a gente, à Dona Edna por coordená-las com amor e simpatia, à Marisa e suas companheiras pelo show maravilhoso, à Cassia que nos enviou as fotos que vocês estão vendo.





Vocês, que são nossos amigos sangue bom, obrigado por nos pretigiarem mais uma vez, nossas boas vindas aos novos amigos e desculpem-nos os contratempos. Nosso quintal é humilde mas é bonito e alegre, nossa estrutura é caseira mas a gente oferece de coração e fica super feliz quando vocês vem! Não somos um bar, uma casa de eventos, somos um grupo de amigos do peito que gosta de gente e de Samba! E é por isso que é bom, é por isso que toda gente vem e volta! Estamos aqui quebrando a cabeça pra te atender cada vez melhor, não tenha dúvida! Valeu pelo bom humor e pela compreensão!
Bravo pra elas, palmas pra elas, salve as baianas! Palmas pra vocês, velhos e novos amigos que são este encontro, palmas pro ano que passa e pro ano que vem!
Que no Natal a gente tenha celebrado o amor, a generosidade, a verdade e a humildade e que no Ano Novo , além de tudo e tudíssimo de bom , a gente tenha muito mais Samba pra alegrar a vida! Aqui vai ter se Deus quiser!
Aquele abraço apertado de toda a trupe de trutas do Projeto Escuta o Cheiro indo pra 16ª. Edição! Dia 17 de janeiro tem mais!
Axé!
0
dez
14

Lá pelos idos 1993 o Sr. Dailson, também conhecido por Caçapa, teve a idéia de fundar uma Escola de Samba no bairro da Casa Verde.
Depois de muito papo, viu que, mais importante do que organizar um cordão, seria conseguir um patrono para o Grêmio.
Daí nasce a figura de Francisco Plumari Júnior. Após as reuniões acontecidas na Associação Saldanha da Gama e no Vasco da Gama, formou-se uma Diretoria.
Deste ponto, se fez a sede social da Agremiação, com endereço na Rua Ouro Grosso, local este cedido pelo Sr. Francisco, ou Chico Ronda, como era também conhecido.
O nome Império surgiu da idéia de expandir os domínios da Escola para além da Avenida e do Carnaval, promovendo atividades e projetos sociais e culturais durante o ano todo para a comunidade que recepcionou com tanto carinho a Agremiação.
Finalmente, aos 27 de fevereiro de 1994 foi fundada a G.R.C.S.E.S. Império de Casa Verde, tendo seu desfile inaugural no ano de 1995, mandato do então Presidente o SR. Carlos Alberto de Souza, indicado pelo saudoso Padrinho da Escola, o Seu Chico, condecorado, a época, como presidente de honra da entidade, posteriormente empossado presidente da mesma em 1999, em razão do falecimento do senhor Carlinhos.
A Império é Campeã desde que debutou.
Conquistou três títulos em seus três primeiros anos, tornando-se a coqueluche do Carnaval Paulista.
Com apenas quatro anos de história, a escola já estava desfilando ao lado das mais tradicionais escolas de samba paulistanas.
Em 2005, com o enredo “Se Deus é por nós, quem poderá ser contra nós” foi Campeã do Carnaval Paulista no Grupo Especial com um desfile exuberante reafirmando o status de Grande Escola que detinha desde sua criação.
No ano seguinte, novamente Campeã do Carnaval Paulista com o enredo “Do boi místico ao boi real – De Garcia D’ávila na Bahia ao Nelore – O boi que come capim – A saga da pecuária no Brasil para o mundo”. A partir daí já não pairavam dúvidas quanto à magnitude da Escola e a mesma se sedimenta como uma das grandes Escolas de Samba de nosso País.
Em 2009, presenciei tal fato, a Império, comemorando seus 15 anos de existência, fez um desfile maravilhoso, fechando o carnaval Bandeirante com um Tigre de 55 metros que é considerado a maior alegoria articulada da história do carnaval.
O que será que eles vão aprontar esse ano na avenida?
O enredo eu já te conto, “Itu, Fidelíssima Terra de Gigantes.”
É redundância dizer que será um GRANDE desfile, né??


Por Thiago de Souza (infos. obtidas na página virtual da Império de Casa Verde)
1
dez
11

É como muita honra e satisfação que Campinas e o Escuta o Cheiro receberão a Ala das Baianas da G.R.C.S.E.S. Império de Casa Verde.
Hoje, sob o comando do Sr. Júnior Marques e sua diretoria, as coordenadoras da Ala das Baianas, Dona Edna Lopes e Dona Odette de Carvalho conduzem a ala com enorme competência, carinho e dedicação inesgotável.

Esse é o Samba em Exaltação a Ala das baianas da Império.
Esse ano a Ala das Baianas completou 15 anos de existência e de muito Axé!
Nossas meninas conquistaram, no carnaval de 2004, o Estandarte de Ouro e o Troféu dos 450 anos de São Paulo, é mole fubá?
As componentes formam uma grande família.
A Ala não pára durante o ano inteiro, pois organizam viagens, festas, almoços, bingos, etc.
Nossa homenageadas são vaidosas e não medem esforços para estarem bem paramentadas e maquiadas a cada apresentação dentro ou fora da quadra.
Em julho deste ano a Ala conquistou o seu estandarte o que é motivo de grande orgulho para a Império de Casa Verde.
Como os ensaios na quadra terminam muito tarde, elas inauguraram o “Bangalô das Baianas”, um espaço para o encontros, bate-papos, socialização e repouso das integrantes que residem longe da Império.
A comunidade imperiana ganha novos integrantes com as baianas, porque com elas vão os filhos, os netos, os sobrinhos, os vizinhos.
São chamadas as mães da quadra, orgulho do Tigre Guerreiro da Império!
*Dia 12 de Dezembro (sábado) a Ala das baianas da Império será Batizada por sua Ilustre Madrinha, a qual dispensa apresentações, pois é nada mais nada menos que Campeoníssima Escola de Samba Beija Flor de Nilópoles. O Batizado contará com a presença do interprete oficial da Escola, Neguinho da Beija Flor.
Fica ai o convite, quem puder ir e presenciar esse momento lindo que nossa homenageadas irão viver, não irá se arrepender. Confira maiores detalhes deste evento no site da Império de Casa Verde:www.imperiodecasaverde.com.br

Então não perca nossa festa dia 20!!!
Traga todo seu axé, suas rendas, patuás e não se esqueça do brinquedo da Criançada da ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO ALTO DO JARDIM CARUMBÉ, também vale 1kg de alimento não perecível e bem nutritivo. Sua doação irá contemplar esta entidade que tem o apoio da Ala das Baianas do Império, representada ativamente pela nossa querida amiga e baiana da gema Marisa Mateus, que não vai perder essa festa!
0
dez
10

Amigos gentis, a partir da edição de dezembro iniciaremos uma campanha permanente para ajudar comunidades carentes e instituições da nossa simpática Campinas.
Demorô! Há algum tempo estamos conversando sobre isso e agora, que fomos contaminados pelo espírito do Natal, daremos a largada e temos certeza que vocês, nossos amigos sangue bom, irão entrar nessa com tudo!
Então a parada ficou assim: de agora em diante trabalharemos com dois valores de entrada. R$10 pra quem contribuir com 1kg de alimento não perecível ou um brinquedo em bom estado e R$12 pra quem não contribuir com nada. Você vai ajudar né? Bota aí mais alguma coisinha gostosa na lista de compras, pega aquele brinquedinho que a criança não brinca mais e tá bala, ajuda a gente a ajudar quem precisa!
Todo mês faremos a doação do que for arrecadado em nome do Projeto EoC e dos nossos convidados. Aliás, aceitamos sugestões de comunidades ou instituições que vocês queiam ajudar. Neste caso, enviem pra gente um e-mail com as infos ou nos procurem no encontro. Firmô?
Fazendo uma pequena parte a gente pode fazer um grande bem na vida de alguém!
Aquele abraço forte .
0
dez
09
Ah... quando passa a Ala das Baianas! Ai como é bonito de ser ver! Giram lindas e juntinhas no compasso do Samba, numa evolução que enche os olhos da gente, emociona! Seguram firme na avenida, algumas senhoras bem senhorinhas, outras senhoras senhoras, e algumas senhoras senhoritas! Eu tenho vontade de correr pra abraçar aquelas mulheres fofinhas! Fortes, lindas e poderosas. Meio mães, meio santas.
Eu já contei essa história, mas vou lembrar porque este mês tem baianas no samba do EoC. Ficou curioso? Pera que a gente já fala que baianas são essas e de onde elas vem.
Mas, voltando pra história. Quando o Samba era mal visto e os sambistas perseguidos, eram as mulheres, mães e esposas dos sambistas, que davam abrigo pro coitado no fundo do quintal. Cozinhavam pra forrar o bucho, pro Samba não ficar de pileque, protegiam e deram essa cara de moço de família pro Samba. Por isso é que quando o Samba voltou pra rua com boa fama, as Escolas passaram a homenagear essas mulheres valentes e protetoras, as “tias”, em sinal de gratidão. Taí neguinho! Foi daí que surgiu a tradicional Ala das Baianas nas Escolas de Samba. Baianas nos remetem às entidades afro, baianas são grandes, generosas e bonitas, baianas são alegres e enfeitadas, baianas nos fazem lembrar a Bahia, sim, porque o Samba nasceu lá na Bahia. Por falar em Bahia, tem Muqueca nesse samba! Tempero de Samba, de Samba de Roda, de Roda de Samba, tempero de “tia”!

Vem de saia rodada e chapéu! Fino que vai ser este Samba!


TEMPERO

Aqui de longe eu fico
Imaginando seu cheiro
E o gosto
De todos os teus sais

Minto se disser
Que nada mais quero
Quando vejo o aceno
Do verde olhar

Rubro lábio, Morena
Cor do dendê
Tempero, pimenta
Você

Nasceu do coco
Filha de Rainha, é Sereia
Gira sua renda
Brincando na areia

De seus Santos sou filho
Das mesmas contas, minha guia
É do atabaque a batida
E seu coração da Bahia

por Thiago de Souza.
0